A FORMA PANORAMA E OS DESEJOS DE MEMÓRIA E DE ORIGEM. O cinema ao vivo com As bodas em Canã, de Paolo Veronese, por Peter Greenaway, e Cristo carregando a cruz, de Pieter Bruegel, transformado no longa O moinho e a cruz, por Lech Majewski.

Imagem e Cultura

Integrantes relacionados:
Denise Costa Lopes

O desejo ancoradouro de memória e de um possível redimensionamento da noção
de origem, diante da crescente compressão do espaço-tempo, como consequência do potencial
de reprodutibilidade técnica da era digital, é responsável hoje por permanentes retomadas de
representações pictóricas passadas e do ilusionismo característico da origem do cinema. Como
resultado das novas tecnologias audiovisuais, que problematizam a relação entre pintura e
cinema, “instalações panorâmicas” privilegiam a imersão e a interatividade com um
“participador”, um co-autor. Peter Greenaway e Lech Majewski são alguns dos cineastas que
trabalham hoje nessa saudável fronteira, atualizando o dispositivo cinematográfico,
especialmente em suas condições perceptivas de fruição estética e de possibilidade de novos
processos de subjetivações.