ARTE CONCRETA ALÉM DA EUROPA: diálogos entre Brasil e Argentina através do MAM RJ

História e Crítica da Arte

Integrantes relacionados:
Maria Luisa Tavora
Elizabeth Catoia Varela

Esta tese, orientada pela Professora Doutora Maria Luisa Távora, analisa como a tendência abstrato geométrica foi vivenciada por alguns artistas, teóricos e críticos argentinos e brasileiros de 1948 a 1961, tendo como ponto focal o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. A pesquisa recupera as exposições, conferências e cursos que aconteceram no Museu, examinando uma série de documentos como catálogos, folders, boletins e fotos. Ao tentar refazer a rede de informações artísticas na qual esses protagonistas estavam inseridos, buscamos também textos que na época circulavam através de revistas especializadas internacionais, alguns destes difundidos na época, no Brasil, através de traduções. Dessa forma, com o objetivo de resgatar o intercâmbio de ideias ou questionamentos entre a produção argentina e brasileira, pudemos perceber especificidades e diferenciações em relação ao que era então feito na Europa. Mais que isso, resgatamos a importância da presença argentina no contexto artístico brasileiro do período, visto pela historiografia da arte quase que exclusivamente em relação aos cânones e à narrativa histórica europeia. Neste sentido, a tese opera uma revisão historiográfica que amplia o campo de análise da arte concreta e neoconcreta no Brasil, baseada em um vasto conjunto de fontes que vão muito além dos documentos examinados por análises anteriores.

Tese ElizabethVarela_2016