Cláudia Matos Pereira: Enigmas: os ‘retratos–sequência’ da artista brasileira Nívea Bracher

Imagem e Cultura


Artigo apresentado no Congresso da Universidade de Belas Artes de Lisboa em 2012 tem como objetivo elaborar uma análise semiológica dos ‘retratos-sequência’ de Nívea Bracher, mediante autores como Barthes, Joly, e Kandinsky. O aprofundamento no campo de percepção visual se faz sob a perspectiva gestaltista de Rudolf Arnheim. Há um enigma: manchas revelam olhares sem os olhos. As obras transpassam o rótulo de representação pictórica e espelham uma cognição intuitiva, por meio da capacidade de tornar visível aquilo que transcende ao retratado.