Exposição: (IN)TOLERÂNCIAS ÀS MARGENS

Existe uma linha tênue na compreensão do significado da palavra tolerância.

O Brasil vive hoje, um momento no qual o conceito de “HOMEM CORDIAL” parece estar sendo acionado a todo momento. O “cordial” – referente/próprio do coração e que, tal qual nos termos de Sérgio Buarque de Hollanda, comportaria tanto o amor quanto o ódio – possibilita a vivência da mais variada gama de sentimentos quais parecem inflamar os indivíduos. Confrontamentos inflamados. Uma cordialidade que testa constantemente os limites da tolerância, num perigoso flerte com a intolerância.

Diariamente, nos deparamos com situações que deixam evidente a necessidade de rever tais limites, intrínsecos à co-existência da diversidade brasileira, pensando os embates que se dão na seara da cordialidade. Um país tão diverso não deve deixar que sua população ignore a necessidade de aceitação da ALTERIDADE. Reconhecer o OUTRO como igual, já é o grande desafio do mundo ocidental a mais de duzentos anos. Estamos atrasados!

É pensando nas TENSÕES, produzidas no cotidiano do momento político brasileiro, que o COLETIVO ÁREA INTERDITADA vem a público convidar para a exposição “(IN)TOLERÂNCIAS ÀS MARGENS” a ser inaugurada na GALERIA PHÁBRIKA neste sábado (29/06) às 15:00. Nesta exposição, 19 artistas da Escola de Belas Artes (EBA/UFRJ) se debruçam sobre temas como cordialidade(s), alteridade, tolerância/intolerância, marginalidades, etc. Debates preciosamente atuais (e necessários) no cenário cultural, social e político do país.

Marcelo Franco

Publicado por em 27 de junho de 2019.